– aí sinhooorr, meu Deus, tão me matando, cadê os direitos dos manos?